Nossa Mensagem

Nossa mensagem


É a mensagem que Deus enviou “a toda nação, tribo, língua e povo”, por meio dos três anjos que aparecem em Apocalipse 14, completada pela do quarto anjo de Apocalipse 18. A linguagem é simbólica; portanto, para entender a mensagem, os símbolos precisam ser interpretados corretamente. Apresentamos a seguir uma explicação resumida enfocando seus principais pontos. Não ousamos dar nossa interpretação aos símbolos – deixamos que a própria Bíblia os interprete, como você verá a seguir. Sugeriríamos que conversasses com Deus em pensamento e pedisses a Ele para te dar entendimento para discernir se a explicação abaixo é verdadeira ou não. Jesus prometeu: “Se alguém quiser fazer a vontade de Deus, há de saber se a doutrina é dEle, ou se falo por Mim mesmo” (João 7:17).

A mensagem do primeiro anjo:

“E vi outro anjo voando pelo meio do céu, e tinha um evangelho eterno para proclamar aos que habitam sobre a terra e a toda nação, e tribo, e língua e povo. Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do Seu juízo. E adorai Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” Apocalipse 14:6, 7.

Pontos principais:

1) O anjo anuncia o “evangelho”. O evangelho são as “alegres novas de boas coisas”. As boas notícias da salvação que Deus já nos deu por meio de Jesus Cristo. Resumidamente, elas são essas: Merecíamos morrer pelos nossos pecados, nossa maldade; mas Deus já nos perdoou e fez paz conosco, sacrificando Seu Filho Jesus Cristo em nosso lugar. Por isso, nada devemos à Sua lei. A dívida de cada ser humano já foi paga. Não precisamos morrer; antes, temos o privilégio de viver eternamente, como os anjos que nunca desobedeceram a Deus. E, em breve, quando Jesus voltar à terra pela segunda vez,  seremos arrebatados para nos encontrar com Jesus nos ares, juntamente com os crentes mortos, os quais ressuscitarão neste momento. Então, estaremos para sempre com Jesus, Deus e os anjos, em um lugar onde não haverá mais morte, nem choro, nem dor. Seremos eternamente jovens e felizes, e viveremos próximo dos nossos queridos na terra, que também não rejeitaram a salvação de Deus.. Poderemos viajar por todo o universo, conhecer novos mundos e galáxias, e as mais altas realizações poderão ali serem alcançadas. A condição para usufruir desta bênção é aceitar a Jesus, em Sua morte, como nosso Substituto, e Sua justiça, a qual é o Seu Espírito, Seu sopro de vida e força que nos motiva e habilita a obedecer todos os Dez Mandamentos da lei de Deus. Por isso, o evangelho também é o “poder” de Deus para o que crê nele – poder dado por Jesus. Provas bíblicas:

“Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.” Romanos 10:15.

“Porque o nosso evangelho não foi a vós somente em palavras, mas também em poder, e no Espírito Santo, e em muita certeza” I Tessalonicensses 1:5.

“do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” Romanos 1:16.

Todas as bênçãos anunciadas no evangelho são dadas por meio de Cristo. As boas novas do evangelho podem ser plenamente experimentadas somente por quem aceita a Jesus. Por isso, o evangelista Paulo disse que anunciava, “por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo” Efésios 3:8.

O evangelho é “eterno” – isso significa que foi o mesmo, antes e depois da morte de Cristo na cruz, e permanece sendo o mesmo até hoje. O evangelho da “antiga aliança” de Deus com o povo é o mesmo da nova aliança. O do antigo testamento da Bíblia é o mesmo do Novo Testamento. Não há diferença.

2) A quem deve o evangelho ser proclamado?

“aos que habitam sobre a terra e a toda nação, e tribo, e língua e povo”. Apocalipse 14:7.


3) Como deve ser pregado?

“com grande voz” Apocalipse 14:7. Não de forma tímida. Por meio de todos os veículos de comunicação. “grande voz” significa também “com o poder do Espírito Santo”:

“Isabel foi cheia do Espírito Santo. E exclamou com grande voz, e disse: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre.” Lucas 1:42.


4) O que diz o primeiro anjo?

“Temei a Deus, e dai-Lhe glória; porque é vinda a hora do Seu juízo” Apocalipse 14:7.

O primeiro anjo anuncia que o juízo de todos os homens é chegado. “todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal.” II Cor. 5:10. Haverá um juízo dos homens antes de Jesus voltar pela segunda vez à terra.


5) Quando e onde ocorre este juízo? Compareceremos pessoalmente nele?

Ocorre no céu. Não compareceremos pessoalmente nele. Lá estarão Deus, Jesus e os anjos:

“Eu continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e um Ancião de dias [Deus] Se assentou; a Sua veste era branca como a neve, e o cabelo da Sua cabeça como a pura lã; e Seu trono era de chamas de fogo, e as suas rodas de fogo ardente. Um rio de fogo manava e saía de diante dele; milhares de milhares O serviam, e milhões de milhões assistiam diante dEle; assentou-se o juízo, e abriram-se os livros.”?Daniel 7:9,10.

Vemos pelo texto que somente os anjos de Deus “milhares de milhares” que o servem, e milhões de milhões, estão ali. O profeta não viu os homens, os réus. Só podemos comparecer ali pela fé, ou seja, crendo que estamos sendo julgados. Paulo disse que Deus “nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus” Efésios 2:6. Vivenciamos esta experiência quando cremos em Jesus.

A sequência da descrição da visão do profeta Daniel sobre o juízo mostra que é somente depois de se abrirem os livros das pessoas, que Jesus recebe o reino da terra das mãos de Deus.

“estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o Filho do homem [Jesus]; e dirigiu-se ao Ancião de dias [Deus], e O fizeram chegar até Ele. E foi-Lhe dado o domínio, e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas O servissem; o Seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o Seu reino tal, que não será destruído”. Daniel 7:14.

Portanto, o juízo de investigação dos nossos livros ocorre, e termina, antes de Jesus voltar pela segunda vez à terra e instaurar Seu reino.

Neste juízo de investigação dos livros, não são considerados os casos dos que se recusaram a crer em Jesus. “quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (João 3:18). Somente os casos dos crentes são considerados no juízo de Deus. Mas a Bíblia não admite como sendo crentes aqueles que apenas com a boca dizem “creio em Jesus”. “com o coração se crê” (Romanos 10:10). Assim, muitos “crentes” só de nome ver-se-ão condenados, e muitos dos que nunca professaram o nome de Cristo com seus lábios, mas de coração creram nas orientações que receberam do Seu Espírito na Sua consciência, e as seguiram, serão contados entre os crentes. Eles “mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os; No dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Jesus Cristo” Romanos 2:15, 16.

Colocando em gráfico, para facilitar o entendimento:

     Início do                                                                segunda vinda
Juízo de investigação                                                        de Cristo
             |-----------------------------------------------------------|
                                      crentes são julgados                       
                                                                                     


No decorrer deste juízo, ao se verificar que o crente permaneceu fiel até o final de sua vida, seus pecados serão apagados, e ele herdará a vida eterna.

 
6) Como nos preparamos para o juízo?

“Temei a Deus, e dai-Lhe glória; porque é vinda a hora do Seu juízo” Apocalipse 14:7.

“Temer a Deus e dar-Lhe glória” é  admirar o grande Seu grande amor por nós, e Seu poder para nos livrar por meio de Jesus. Como o exemplo dado na  Bíblia: “Eis que Lhe trouxeram um paralítico deitado num leito. Jesus, pois, vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Tem ânimo, filho; perdoados são os teus pecados. E alguns dos escribas disseram consigo: Este homem blasfema. Mas Jesus, conhecendo-lhes os pensamentos, disse: Por que pensais o mal em vossos corações? Pois qual é mais fácil? Dizer: Perdoados são os teus pecados, ou dizer: Levanta-te e anda? Ora, para que saibais que o Filho do homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados (disse então ao paralítico): Levanta-te, toma o teu leito, e vai para tua casa. E este, levantando-se foi para sua casa. E as multidões, vendo isso, temeram, e glorificaram a Deus, que dera tal autoridade aos homens.” Mateus 9:1-8.

O temor de Deus nos leva a confiar nEle, obedecer Sua voz, e aborrecer o mal. Fazendo isso, o homem obedece os Dez Mandamentos: “pelo temor do Senhor, os homens se desviam do mal” Provérbios 16:6. “teme a Deus, e guarda os Seus mandamentos; porque isto é o dever do homem. Porque Deus há de trazer a juízo toda obra, e até tudo o que está encoberto, que seja bom, quer seja mau” Eclesiastes 12:13, 14.

“dar glória” a Deus é: arrepender-se do mal, e procurar honrar a Deus em tudo:

“e os homens... não se arrependeram para Lhe darem glória” Apocalipse 16:9.

“Portanto, quer comais quer bebais, ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para glória de Deus” I Coríntios 10:31.

5) O que o segundo anjo diz?

“E outro anjo seguiu, dizendo: Caiu, caiu babilônia, aquela grande cidade, que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua prostituição.” Apocalipse 14:8.

Babilônia foi um reino antigo caracterizado por concentrar o governo civil e religioso em uma só pessoa. Assim, o governo civil impunha a religião. A religião babilônica tinha as seguintes características:

- Culto aos astros, em especial o sol,  e à “trindade” – três pessoas em uma só divindade
- Consagração do primeiro dia da semana (domingo) para culto religioso
- Consagração das imagens para fins de adoração e culto (ler em Daniel cap. 3)
- Crença na imortalidade da alma

O segundo anjo do Apocalipse anuncia a queda espiritual de todas as igrejas atuais que adotaram as doutrinas e práticas babilônicas. Jesus comparou Sua doutrina à água: “disse-Lhe a mulher: Senhor, Tu não tens com que tirá-la, e o poço é fundo; donde, pois, tens essa água viva?... Replicou-Lhe Jesus: Todo o que beber desta água tornará a ter sede; mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede; pelo contrário, a água que Eu lhe der se fará nele uma fonte de água que jorre para a vida eterna” (João 4:11, 13). Por contraste, a doutrina, os ensinos da babilônia antiga são a bebida que ela dá às nações; o vinho mencionado pelo anjo do Apocalipse. Toda igreja que ensina as doutrinas babilônicas está dando o vinho às nações para que bebam, e está incluída no anúncio do anjo: “Caiu, caiu babilônia”.


6) O que o terceiro anjo diz?

“E seguiu-os o terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão, também este beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro. E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, e aquele que receber o sinal do seu nome. Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.” Apocalipse 14:9-12.

7) Quem é a besta?

A besta é um poder que une três características – é religioso, político e perseguidor:

religioso, pois é adorado: “e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta?” Apocalipse 13:4
político, pois recebeu autoridade sobre as nações: “deu-se-lhe autoridade sobre toda tribo, e povo, e língua e nação” Apocalipse 13:7
perseguidor: “lhe foi permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los” Apocalipse 13:7

O testemunho da história comprova que um poder se encaixa na descrição dada pelo anjo – aquele que, em nome da religião, perseguiu e matou os estudantes da Bíblia na Idade Escura, classificando-os como “hereges”; e que tinha autoridade sobre os reis da Europa – o papado.

8) O que é a imagem da besta?

É uma “cópia” da besta. É qualquer poder religioso que segue as pisadas históricas do papado – assume o controle do poder político e o utiliza para perseguir e matar os que não concordam com suas doutrinas. Ao chamar nossa atenção para a “imagem da besta”, o terceiro anjo denuncia que outras igrejas repetirão a história do papado. O movimento “christian coalision” (coalisão cristã), união de igrejas protestantes dos Estados Unidos que almejam impor a religião pelo poder do Estado, mostra que a mensagem do terceiro anjo se cumprirá em breve, e as igrejas protestantes caídas se tornarão uma “imagem da besta”.

9) Qual é o “sinal” da besta?

Um sinal é uma marca de autoridade. A marca de autoridade do papado, segundo seus próprios seguidores apregoam, é a observância do domingo como dia de repouso:

“Todavia, os protestantes parecem não se dar conta de que... guardando o domingo... estão aceitando a autoridade do porta voz da igreja, o Papa.” Fonte: Our Sunday Visitor, Semanal católico, 5 de febrero de 1950 (grifo nosso).

No passado, o papado tinha as três características da besta, descritas no Apocalipse: era um poder “político, religioso e perseguidor”. Hoje, não tem o poder de usar o governo para perseguir os que não aceitam suas doutrinas. Deixou de ser perseguidor. Perdeu um dos característicos da “besta”. Neste sentido, é correto dizer que a “besta” era, mas “não é”, hoje (Apoc. 17:8). Assim, não se pode dizer que a marca de sua autoridade: “a observância do domingo” é, hoje, a marca da besta. Muitos sinceros guardam este dia hoje segundo a melhor luz que têm.

Mas o terceiro anjo mostra que o papado voltará a ter o poder de “besta”. Sua marca de autoridade, o descanso no domingo para fins religiosos, será imposta por lei. Quando isso acontecer, o papado voltará a ter todas as características da “besta”. Então, voltará a ser a “besta” do Apocalipse. Neste tempo, a controvérsia entre o dia de repouso papal e o dia ordenado por Deus se estenderá a todo o mundo. A mensagem do terceiro anjo, advertindo os homens para não tomarem sobre si a marca de autoridade papal, chegará a toda a terra. Então, os homens não serão mais inocentes. Esclarecida assim a questão, aquele que preferir o sinal de autoridade humana em lugar do sinal de autoridade de Deus, receberá sobre si o sinal, ou “marca” da besta. O sinal de Deus é o “sábado” do quarto mandamento, conforme a Bíblia revela:

“Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR, teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu boi, nem o teu jumento, nem animal algum teu, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque, em seis dias, fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o SENHOR abençoou o dia de sábado e o santificou” Êxodo 20:8-11.

“Pelo que os filhos de Israel guardarão o sábado, celebrando-o por aliança perpétua nas suas gerações. Entre Mim e os filhos de Israel é sinal para sempre” Êxodo 31:16, 17.

10) O que significa receber a marca da besta “na mão” e “na testa”?

A mão é símbolo de trabalho. Aparece nas bandeiras dos partidos dos trabalhadores, socialistas. Na Bíblia, tem o mesmo sentido. Ter a marca da besta “na mão” significa deixar de trabalhar no domingo. A testa é símbolo de “consciência”. Ter a marca na testa é, com a consciência, observar o domingo como dia de repouso. Quando Deus quis dar a entender ao povo de que deveriam observar Seus mandamentos com a consciência e com as mãos, ordenou: “estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração... as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos [testa]” Deuteronômio 6:6, 8.  

11) Qual será a condenação dos que receberem a marca da besta?

“beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da Sua ira” Apocalipse 14:10. Ou seja, sofrerá as sete pragas do Apocalipse: “Vi no céu ainda outro sinal, grande e admirável: sete anjos, que tinham as sete últimas pragas; porque nelas é consumada a ira de Deus” Apocalipse 15:1. As sete pragas são os juízos mais terríveis que cairão sobre o mundo, e são descritas em Apocalipse 16. Não têm igual. O “cálice” da ira será derramado por ocasião da última praga, quando cairá sobre os homens chuva de pedras do peso de “quase um talento”. Um talento é aproximadamente 34 kg: “O sétimo anjo derramou a sua taça no ar; e saiu uma grande voz do santuário, da parte do trono, dizendo: Está feito... e Deus lembrou-Se da grande Babilônia, para lhe dar o cálice do vinho do furor da Sua ira. Todas as ilhas fugiram, e os montes não mais se acharam. E sobre os homens caiu do céu uma grande saraivada, pedras quase do peso de um talento” Apocalipse 16:17, 19-21.

Além disso, os adoradores da besta também sofrerão a pena do lago de fogo: “e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro” Apocalipse 14:10. No lago de fogo os ímpios sofrerão a “segunda morte”: “esta é a segunda morte, o lago de fogo” (Apocalipse 20:14). Isso significa que, após esta morte que conhecemos, os ímpios serão ressuscitados para então receberem o castigo da segunda morte. O lago de fogo não será um castigo eterno. Os ímpios queimados sofrerão a segunda morte – morrerão pela segunda vez. Depois disso, nunca mais voltarão à vida. “serão como se nunca tivessem sido” (Obadias 1:16). Em Sua misericórdia, Deus dá a punição aos ímpios proporcional às suas obras más. Os pecados de cada um são combustível para o fogo. Terminando o combustível, a pessoa perde a vida e o sofrimento termina. Está paga a dívida pelo pecado.

A expressão encontrada na mensagem do terceiro anjo: “não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem”, significa que eles rejeitaram para sempre o repouso oferecido por Deus – sábado. Esta é a única razão pela qual não têm repouso nem de dia e nem de noite - rejeitaram o repouso oferecido por Deus. E a expressão “a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre” significa que haverá lembrança da destruição dos ímpios, tal como a fumaça após terminar-se o fogo nos faz lembrar da fogueira que ali antes estava. A lembrança das consequências terríveis do pecado, do castigo que os ímpios trouxeram sobre si servirá para levar todos os santos nunca mais desejarem o pecado. Ele não se levantará uma segunda vez. “Deus limpará dos seus olhos toda a lágrima” derramada como resultado do pecado dos homens. “Não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor, porque já as primeiras coisas são passadas” Apocalipse 21:4. O pecado, a transgressão da lei de Deus, será abominado por todos, como algo odioso. Todos se deleitarão na obediência a Deus, reconhecendo que ela á a garantia da sua felicidade.

12) Qual será o resultado de ouvir a mensagem do terceiro anjo?

“Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé de Jesus.” Apocalipse 14:12.

Purificados pela obediência perfeita à lei de Deus; santificados pela observância perfeita do sábado, os santos verão a obra divina terminada em suas vidas: refletirão perfeitamente, em seu caráter, o caráter de Jesus. Serão pessoas moralmente elevadas. Esta obra será operada em suas vidas pela fé. O terceiro anjo aponta Jesus e Sua obra, e convida os homens a observarem Seu exemplo de fé, até serem absorvidos na contemplação do Seu Mestre a tal ponto que tenham Sua fé, Sua perfeita confiança em Deus. Por meio desta fé, Deus escreverá os Dez Mandamentos nos seus corações, cumprindo Sua promessa:

“Este é o pacto que farei com eles depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei as Minhas leis em seus corações, e as escreverei em seu entendimento [mente]” Hebreus 10:16.

Os santos de Deus alegremente aceitarão esta obra de Deus nas Suas vidas, e a apreciarão. Guardarão os mandamentos que receberam no coração. A alegria em obedecer, a qual Deus pôs em seus corações, eles a acariciam e retêm. Você encontra estudos mais aprofundados sobre a revelação da graça de Deus dada pelo terceiro anjo do Apocalipse em outros artigos dentro deste site, bem como também nos livros oferecidos por este ministério – em especial os dos autores Ellet J. Waggoner e Alonzo T. Jones.


13) Qual é a mensagem do quarto anjo?

“E depois destas coisas vi descer do céu outro anjo, que tinha grande poder, e a terra foi iluminada com a sua glória. E clamou fortemente com grande voz, dizendo: Caiu, caiu a grande babilônia, e se tornou morada de demônios, e covil de todo espírito imundo, e esconderijo de toda ave imunda e odiável.  Porque todas as nações beberam do vinho da ira da sua prostituição, e os reis da terra se prostituíram com ela; e os mercadores da terra se enriqueceram com a abundância de suas delícias. E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas. Porque já os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou das iniquidades dela.” Apocalipse 18:5.


O quarto anjo repete a mensagem do segundo, denunciando a queda de Babilônia, acrescentando a advertência para que os homens saiam do seu meio, das igrejas caídas representadas por Babilônia, para que não recebam suas pragas. As pragas anunciadas são as mesmas já comentadas anteriormente, descritas em Apocalipse 16. Esta mensagem vem em adição às três anteriores. Este conjunto de mensagens é a Advertência Final a ser dada aos moradores da terra, para que possam se salvar, se quiserem. Esperamos que você lhe dê ouvidos e faça a escolha certa!

Voltar
Ministério Quarto Anjo | Advertência Final
© Todos os direitos reservados • 2014 - 2017